Composição para games: Mercados & oportunidades

A trilha sonora tem um papel importante para trazer o espectador para dentro da narrativa que está sendo apresentada. E com os games não é diferente. Antonio Teoli, compositor e sound designer da Samsung Game Team; Katie Byam, supervisora de música da Activision Blizzard; e Alê McHaddo, da 44 Toons, formaram a mesa “Composição Musical para games”, no primeiro dia da Conferência do Rio2C.
 
O painel debateu o grande desafio que é compor para games de realidade virtual. Apesar dos desafios, o mercado e suas oportunidades na área aumentaram significativamente nos últimos anos. A Samsung montou seu primeiro estúdio de games no Brasil, sendo que nem a Coréia, um dos maiores mercados do mundo para o segmento, possui. Atualmente, a indústria brasileira de games caminha para ser a mais expressiva, com 1.6 bilhões de faturamento e 43 games desenvolvidos no país.
 
Um case de sucesso no mercado é a empresa Activision, situada em Santa Mônica /Califórnia (Estados Unidos) que desenvolve todos os jogos de guitar hero para diferentes suportes e formatos. O estúdio tem compositores e agentes que enviam listas para que se encontre - e se contrate - compositores nos adequados 18 meses antes de um jogo, pois há inúmeras maneiras para licenciar uma música.
 
A Activision tem parcerias com artistas e até programas internos de músicas para os  funcionários. Dentre os compositores registrados estão Ed. Sheeran, Soundgarden, Fat boy Slim e muitos músicos famosos mundialmente.
 
O mercado está promissor para compositores, variando valores de um mil e trezentos a dois mil e quinhentos reais por música. Antônio, que também é dono de uma escola de games, enfatiza que o conhecimento das ferramentas é fundamental para ingressar no mercado. Há cerca de 200 profissionais trabalhando no Brasil, porém não todo tempo.
 
Alê McHaddo, mediador da rodada, questiona se a música está lá para o jogo ou se escolhe uma música e muda o jogo. Katie explica que um jogo de guitarra é bem importante dosar as duas coisas e usar músicas com popularidade. Para Antônio, a estratégia é bombardear game designers para desenvolver a trilha sonora ideal.

GARANTA SEU INGRESSO!

De 3 a 8 de abril de 2018 na Cidade das Artes, Rio de Janeiro

COMPRAR INGRESSO